16
11
a
20
01

Image and video hosting by TinyPic

A show to more voices
Anna Dot, Cristina Garrido, Jon Mikel Euba, Juan López, June Crespo e Leonor Serrano Rivas

Curadoria de Veronica Valentini (DO. The method JC, JME, LSR) e Andrea Rodriguez Novoa (Whenever you don’t feel like, keep going)

Composto por duas abordagens paralelas, o projeto expositivo e discursivo “A show to more voices” exibe singularidades curatoriais e artísticas que exploram técnicas somáticas e subjetivas desclassificadas de algumas práticas artísticas (DO. The method JC, JME, LSR), e a ideia de esgotamento como desassossego e motor (Whenever you don’t feel like, keep going).
“DO. The method JC, JME, LSR” mostra a visão do artista e a sua problemática relação com a técnica e a estética, sinalizando o estreito vínculo e a negociação que existe entre metodologia, economias de significado e pensamento. “Whenever you don’t feel like, keep going” empurra literalmente os limites do suportável?, do desejável?, do necessário?, e observa o que esses tais termos podem implicar na sociedade contemporânea através da práxis artística e sem ânsia maniqueísta .
Ambos os ensaios se fundem conceptual, discursiva e espacialmente em “Uma exposição a mais vozes”, um exercício coral que se adentra em problemáticas relacionadas com as ciências sociais e as políticas dos afectos e que convoca artistas que cruzam diferentes campos e posturas de trabalho a este respeito.

Biografias
Cristina Garrido (1986, Madrid) vive e trabalha entre Madrid e Holanda. Depois de estudar Belas Artes na Universidade Complutense de Madrid (2004-2009) e no Camberwell College of Art (2007-2008), obteve um diploma em Belas Artes na Escola de Artes de Wimbledon (2010-2011). O seu trabalho tem sido incluído em exposições internacionais: Kunstverein Wolfsburg (Wolfsburg), CentroCentro (Madrid), ISELP (Brussels), Espacio Odeón (Bogotá), Fundación Luís Soane (A Coruña), Centro de Desarrollo de las Artes Visuales (La Habana), Galerie im Taxispalais, (Innsbruck), SESC Sorocaba (Sorocaba/São Paulo), La Casa Encendida (Madrid), Lugar a Dudas (Cali), Banner Repeater (Londres), Spike Island (Bristol), entre outros.

Juan López (1979, Cantabria) é formado em Belas Artes pela Universidade de Castilla La Mancha. Desde 1999 que o seu trabalho tem sido exposto em galerias, centros de arte, feiras e museus nacionais e internacionais, como La Casa Encendida (Madrid); Galería La Fábrica (Madrid); Galería Nogueras Blanchard (Barcelona); MUSAC (León); Centro de Arte Laboral (Gijón); Fundação Joan Miró (Barcelona); Artium (Vitoria); La Panera (Lleida); Liste Art Fair (Basileia); ESTÁ BEM. Centrum Linz (Áustria); Museu Nacional da República (Brasília); Tokyo Wonder Site (Japão); Art Basel Miami Beach (EUA); Den Frie (Copenhague) o Matadero Madrid (Madrid). Recebeu diversos prémios e bolsas como a Bolsa CAM de Artes Plásticas, Prémio ABC de Arte, Prémio Altadis de Artes Plásticas, Bolsa Fundação Marcelino Botín.

Anna Dot (1991, Vic). Dedica-se à prática artística através da qual desenvolve diversas explorações da linguagem. Expôs o seu trabalho em Espanha, no México e na Alemanha. Além da sua prática artística, realiza investigação teórica no Departamento de Tradução, Interpretação e Idiomas Aplicados da Universidade de Vic, sendo também membro do grupo de investigação sobre Estudos de Género: Tradução, Literatura, História e Comunicação nessa mesma universidade. Escreve para a revista online de crítica artística A * Desk e é co-fundadora dos grupos “Morir de Frío” e “Supterranis” (organizadores do Festival Plaga), além de ser membro da Comissão de Artes Visuais para o Festus Festival (Torelló).

Jon Mikel Euba (Amorebieta, 1967) Vive em Bilbao. O seu trabalho está fundamentado no desenho como procedimento e na estrutura como programa, traduzidos em diferentes meios. Nos últimos seis anos desenvolve um projeto centrado na escrita cujo objetivo é definir uma praxis que se torne teoria técnica. Participaou na in Manifesta IV Frankfurt, na Bienal de Estambul 2005, Bienal de Veneza, Bienal de Busan, De Appel, Stedelijk Museum, Project Arts Center, e no Van Abbe Museum em Eindhoven. A sua obra forma parte de colecções como a do Museu Reina Sofía em Madrid, MACBA em Barcelona, MUSAC de León, MUDAM de Luxemburgo, FRAC Poitou-Charentes de França, Ministério de Cultura de Madrid, etc.

June Crespo (1982, Pamplona) vive e trabalha em Bilbao. As suas obras surgem de um gesto afectivo-associativo sobre materiais colectados, extraídos do sistema de produção e consumo em que circulam, para colocar em jogo as suas possibilidades associativas e as suas capacidades para gerar novos significados. Graduou-se em Belas Artes pela Universidade do País Basco em 2005 e esteve em residência na De Ateliers (Amesterdão 2015-2017). Realizou exposições individuais como: Chance Album nº1, (galeria etHALL, Barcelona; e Cosa y tú (Carreras Múgica, Bilbao), Deep State (Of Ateliers, Amsterdam 2017) Geração 2017 (The House On, Madrid 2017); Hypperconnected (Museu de Arte Moderna de Moscou 2016); Coisas selvagens (The Green Parrot, Barcelona 2014); Acertando-o (P-exclamação, Nova York, 2014);

Leonor Serrano Rivas (Málaga, 1986) arquiteta e artista sediada em Londres. O seu trabalho explora diferentes formatos criando situações a meio caminho entre arte, arquitetura, teatro e performance, envolvendo a investigação de teorias históricas sobre a comunicação através da forma, da relação entre o corpo, os seus movimentos e o design. Completou os seus estudos de pós-graduação na Goldsmiths University, Londres (2015). Expôs internacionalmente, incluindo: Bienal de Liverpool (2016 / GB); E-Wrtk, Freiburg; Coleção do Museu Russo de São Petersburgo / Málaga (2016 / ES); ICA Londres (2016 / GB); Arcade Gallery; MUPAM (2016 / ES); entre outros.

Veronica Valentini é curadora, directora e fundadora da Emma, uma organização curatorial que desenvolve um programa de investigação artística itinerante e Mediadora do Nouveaux Commanditaires-Citizen Art Spain Program da Fundación Carasso (Madrid). Também é co-fundadora e directora do projeto BAR e BAR TOOL.

Andrea Rodriguez Novoa é arquiteta e curadora sediada em Barcelona e França. Membro do comité de aquisição da coleção do Fond Regional d’Art Contemporain Normandie em Caen (França), desenvolve uma prática independente de curadoria e de escrita, sendo co-fundadora e diretora do projeto BAR e BAR TOOL.

Publicado a 22 de Novembro de 2017